Arquivo | Março, 2012

A polícia e o velocípede

31 Mar

A policia de Coventry, foi a primeira a utilisar o velocípede.
O mez passado dois ladrões fizeram um roubo importante a um negociante de Coventry, fugindo em seguida para Birmingham.
Um policia montou uma bicycleta e seguiu no encalço dos ladrões, alcançando-os a 4 milhas da cidade e capturando-os.

Retirado d’O Velocipedista ((1893)

A descer todos os Santos dizem ajudar. A subir agora basta um.

30 Mar

Um novo santo e uma nova festa acaba de entrar no ‘kalendario’ velocipédico. É a festa da bicycleta que o distincto redactor do jornal diário da velocipedia ‘Le Velo’, Mr. Fafiotte, acaba de organisar. A festa e a crysma foi em Paris, festa a que o distincto publicista e velocipedista poz o nome de San Velo, estando animadíssima e reinando sempre a maxima alegria e fraternidade.

Retirado d’O Velocipedista (1893)

Gazetilha

25 Mar

Pae (typo de burguez cretino) – Ó rapaz! tu és os meus pecados. Como diabo rasgaste as calças?

Filho ( rapaz de craneo agudo, pequenino) Foi na bicycleta, meu pae.

Pae – Então não as sabias tirar, grandíssimo maroto, antes de subir para cima d’esses diabos?… Ora toma…

Filho (atrapalhadote) É que a queda foi tão rápida que nem tempo tive de as despir.

Piada d’O Velocipedista (1893)

Cenário e espírito

22 Mar

O André recebeu esta pérola (e outras) no email. No Velódromo, em 1900. Foto de Humberto Fonseca.

Realmente

22 Mar

Realisou-se na segunda-feira 11 do corrente, pelas 7 e meia horas da tarde na séde d’este club, no Palacio de Crystal, sob a presidência do snr. Dr. Paulo Marcellino, secretariado pelos snrs. Dr. Bento Vieiro e Antonio de Lemos, uma assembleia geral extraordinária.

Lida e aprovada a acta da sessão anterior foi lida uma proposta da direcção para se eleger presidente honorário, sua majestade el-rei.

Em seguida o sr. barão de Paçô Vieira (Alfredo), como presidente da direcção, participou á assembleia que sua majestade acabava de dar mais uma prova da sua amabilidade para com este club, concedendo-lhe licença para estabelecer um ‘velodromo’ na quinta do real paço dos Carrancas. Propôz que em vista d’esta generosa offerta e das demais provas de consideração já dispensadas, sua majestade el-rei fosse também nomeado socio benemérito.

O sr. dr. Paulo Marcellino, fazendo notar o valor e importância da concessão feita por El-Rei, alvitrou que a votação da preposta do sr. barão de Paçô Vieira fosse feita por acclamação . A assembleia acolheu com ruidosas salvas de palmas as palavras do sr. dr. Paulo Marcellino, sendo em seguida levantada a sessão.

A assembleia esteve numerosamente concorrida.

Foi enviado a Sua Magestade o seguinte tellegrama:

‘Ex.mo Camarista de Semana de Sua Magestade El-Rei – Lisboa – A assembleia Geral do Real Velo-Club do Porto acaba de votar enthusiasticamente, por acclamação, socio benemérito e presidente honorário Sua Magestade. Rogamos a V. Ex.ª queira dar conhecimento d’este facto ao mesmo Augusto Senhor, apresentando-lhe os nossos agradecimentos e protestos da mais profunda gratidão. – O presidente d’assembleia geral, Dr. Paulo Marcellino Dias de Freitas; o presidente da direcção, Barão de Paçô Vieira (Alfredo).’

Notícia d’O Velocipedista (1893)

Passeio dos Domingos daqueles que pedalam

20 Mar

Realisaram innumeros passeios particulares, nos domingos passados, a Braga, Guimarães, S.to Thyrso e Vianna do Castello, os sócios do ‘Club Velocipedista do Porto’’.

O mesmo fizeram os sócios do ‘Velo Club’.

Abílio Machado, Carlos Minchin e Simão Esmoriz realisaram domingo passado um passeio até Vianna do Castello, em quatro horas e meia.

Este passeio foi cortado de varias prepecias, entre ellas, a de se enganarem no caminho e irem ter à beira-mar.

A outra ia tendo consequências mais sérias. Uns bois espantaram-se ao vêr as bicyclettas e o carreiro repontou, injuriando os velocipedistas. Fazendo girar o pau dizia que lhes havia de partir ‘esses engenhos que andavam sem licença do regedor da freguesia, etc. etc.’ Carlos Minchin, puxando d’um revólver, disse-lhe então:

– Ou você nos deixa passar ou lhe esmigalho a cabeça…

O homem poz-se logo d’um veludo maciíssimo. Arredou os bois muito prompto e muito respeitosamente se despediu dos excursionistas. Mas o mais interessante é que o revólver era uma pequena pistola de pressão d’ar, cuja balla é uma pequena setta que nem força tem para quebrar um vidro!!…

Notícia d’O Velocipedista (1893)

Jovem promessa

17 Mar

Uma creança franceza, de 4 annos de idade, acaba de chegar a Paris e vai lançar um repto a todas as creanças de 4 a 7 annos que queiram competir com elle em uma corrida de velocípede cuja distancia será de 20 kilometros.

Se não é ‘blague’ temos um Terront em miniatura.

Bicycleta nacional

15 Mar

Está exposta na casa Laporte, á Praça de D. Pedro, uma bicycleta fabricada na serralheria do snr. Figueiredo Junior, á rua do Campo Pequeno. É muitíssimo elegante na sua forma e de uma confecção fóra do usual, no esqueleto, pois é de prancheta e não de tubo de ferro, não chegando a pesar 20 kilos, destinando-se a passeio. Pertence ao snr. Camillo d’Almeida que, vendo, com outros amigos, no snr. Figueiredo, um industrial empreendedor e laborioso, lhe incutiu a ideia de tentar este género de construcções. Merece todos os elogios o hábil artista porque desempenhou satisfactoriamente o encargo, apresentando um artefacto em condições de realçar os seus merecimentos artísticos.

Notícia d’O Velocipedista (1894)

Pela Velocipedia

14 Mar

Real Velo-Club do Porto – Já está concluída a pista do velódromo d’este Club, na quinta do palácio real, devendo ser posta à disposição dos sócios, para a trainagem, no próximo domingo 17 do corrente.

A tribuna principal, que é de um bello e elegante desenho, deve ficar concluída por toda esta semana.

Já foram nomeados os jurys para as corridas que teem de realizar-se ás 4 horas e meia da tarde do dia 29 do corrente, os quaes ficaram assim constituídos:

Juizes de chegada, conselheiro Campos Henriques, barão de Paço Vieira (Alfredo) e José Izidoro de Campos; juiz de partida Arthur Rumsey; fiscais de pista, Guilherme Andersen, Adolpho Vieira da Cruz, Henrique José da Cunha e Fernando Nicolau de Almeida; cronometro, John Minchin Junior.

Toda a obra do velódromo, construção da tribuna, etc., tem sido, desde o principio, dirigida pelo socio o snr. José Izidro de Campos, que a isso se prestou obsequiosamente.

Tem sido grande o numero de sócios ultimamente inscriptos.

Começou há dias a semear-se a relva no redondel do velódromo.

Calcula-se que a lotação das tribunas e lugares de peões seja approximadamente de 2:500 a 3:000 pessoas.

A commissão das corridas, convida os snrs. associados que desejem bilhetes de tribuna para a festa de inauguração, a requisital-os até ao dia 24 do corrente, d’esde as 8 horas da manhã ás 9 da noute.

A Direcção d’este Club, nomeou sócio, por acclamação , S. A. o infante D. Affonso, que sendo um distincto velocipedista, requereu n’esse sentido á mesma direcção.

Notícias do Real Velo-Club do Porto retiradas d’O Velocipedista (1894)

Conselhos para as vossas machinas

13 Mar

Alguns conselhos extrahidos da ‘Bicyclette’:

(continuação)

Fazei as vossas excursões de preferência com alguém que saiba mais do que vós; é a única maneira de vos aperfeiçoardes debaixo de todos os pontos de vista e de obter uma boa marcha.

Quando vos sentirdes fatigados não continueis a correr por amor próprio; é melhor fazer com que o vosso companheiro ande mais devagar.

Tratae de conseguir o costume de subir encostas com presteza, porque é o único meio de chegar a dominar esses obstáculos. É claro que vos custará algum trabalho o alcançal-o, e ao principio, assim que a vossa velocidade diminua, descei da bicycletta e continuae a pé. Pouco a pouco, porém, e em resultado de costume, chegareis a subir as calçadas mais ingremes com a maior facilidade.

Dicas d’O Velocipedista (1893)