Arquivo | Velocipedista RSS feed for this section

Coimbra a preparar o Verão

6 Abr

A corporação de bombeiros voluntários de Coimbra, uma das que mais se tem feito notar pelo ser progresso e pela maneira como estuda todas as inovações, a fim de prestar os seus humanitários serviços com maior rapidez, estuda a introdução das bicycletas para a conducção do piquete de bombeiros que acompanham a bomba quando em incêndios fóra da cidade.

Notícia d’O Velocipedista (1893)

Fim-de-semana de borga

3 Abr

Carlos Minchin, A. Machado, Peixoto, partiram para Braga no sabbado, em bicycleta, regressando domingo à noite, perfeitamente bem dispostos. Foram assistir às festas que a academia de Braga alli realisara.

Passeios retirados d’O Velocipedista (1893)

Conselhos prudentes

1 Abr

Damos a seguir os que o reputado professor allemão  Matatodos insere no seu famoso livro Nãoexistezeitung:

1º Montar de verão em traje de banho e de inverno com facto de mergulhador.

2º Levar sempre na bolsa da machina um barril de aguardente e uma canôa para em caso de resfriamento poder tomar-se um banho alcoolico.

3º Quando se chega de uma excursão violenta e se sente o corpo a transpirar, deve tomar-se um banho de agua gelada, tendo o cuidado de prevenir antecipadamente a família para que vá preparando o luto e chamando o armador.

4º Não emprehender excursão alguma sem ter feito calafetar, a pedra e cal hydraulica, as fossas nasaes e a bocca, a fim de evitar a entrada do ar. A respiração effectua-se pela parte porterior das orelhas onde o cyclista mandará rasgar dois postigos com uma pequenina faca de cosinha.

5º Nas paragens ou descanços, não deve comer senão pão de milho, quando não haja outra coisa; assim como é conveniente não fumar, a não ser que tenha cigarros ou dinheiro para os comprar.

6º Para evitar que haja desarranjo nos ossos dos joelhos e dos pés, todo o cyclista deve, antes de sahir de casa, praticar, como uma verruma, dois pequenos orifícios na perna e pé, introduzindo n’esses orifícios a maior porção de petróleo que lhe seja possível.

7º Estando provado que a bicycleta caminha tanto mais quanto menos fôr o pezo da pessoa que a monta, convem que todo o cyclista leve só a cabeça, os braços e as penas, deixando em casa o tronco, á excepção da parte que precisa para occupar o selim.

8º Com o fim de evitar as quédas nas curvas das estradas, é conveniente desmontar a 100 metros de distancia ou, o que é ainda mais seguro, deixar-se ficar em casa.

9º Para não arranjar corcunda (vulgarmente chamada sêmea) deve levar-se o corpo metido n’uma prensa de copiar fabricada de algodão em rama para não pezar demasiado.

10º Para ter conhecimento de todos os progressos da velocipedia, corridas, ‘records’, ‘matchs’ e quejandas eguarias e mais legumes cyclicos, deve assignar a revista quinzenal ‘O Velocipedista’, enviando a quantia de 1:200 réis á sua administração, rua de D. Pedro, 184 – Porto.

Estes 10 mandamentos se encerram em dois – ter a maxima cautella e caldos de galinha; e não deixar de assignar este jornal por coisa nenhuma d’esta vida, a não ser por falta de dinheiro que é a única razão que póde convencer-nos…

Em vista do que não lhes dizemos mais nada para não os affligir.

Conselhos d’O Velociedista (1 de Abril de 1895)

O Velocipedista na TimeOut de Abril

1 Abr

A TimeOut Porto de Abril dedicou seis páginas inteirinhas às coisas do ciclismo urbano no Porto.

Uma das páginas foi dedicada ao ciclismo digamos, mais clássico, destacando-se o Maria Amélia e o trabalho aqui dos meninos no Velocipedista.

A polícia e o velocípede

31 Mar

A policia de Coventry, foi a primeira a utilisar o velocípede.
O mez passado dois ladrões fizeram um roubo importante a um negociante de Coventry, fugindo em seguida para Birmingham.
Um policia montou uma bicycleta e seguiu no encalço dos ladrões, alcançando-os a 4 milhas da cidade e capturando-os.

Retirado d’O Velocipedista ((1893)

A descer todos os Santos dizem ajudar. A subir agora basta um.

30 Mar

Um novo santo e uma nova festa acaba de entrar no ‘kalendario’ velocipédico. É a festa da bicycleta que o distincto redactor do jornal diário da velocipedia ‘Le Velo’, Mr. Fafiotte, acaba de organisar. A festa e a crysma foi em Paris, festa a que o distincto publicista e velocipedista poz o nome de San Velo, estando animadíssima e reinando sempre a maxima alegria e fraternidade.

Retirado d’O Velocipedista (1893)

Gazetilha

25 Mar

Pae (typo de burguez cretino) – Ó rapaz! tu és os meus pecados. Como diabo rasgaste as calças?

Filho ( rapaz de craneo agudo, pequenino) Foi na bicycleta, meu pae.

Pae – Então não as sabias tirar, grandíssimo maroto, antes de subir para cima d’esses diabos?… Ora toma…

Filho (atrapalhadote) É que a queda foi tão rápida que nem tempo tive de as despir.

Piada d’O Velocipedista (1893)

Realmente

22 Mar

Realisou-se na segunda-feira 11 do corrente, pelas 7 e meia horas da tarde na séde d’este club, no Palacio de Crystal, sob a presidência do snr. Dr. Paulo Marcellino, secretariado pelos snrs. Dr. Bento Vieiro e Antonio de Lemos, uma assembleia geral extraordinária.

Lida e aprovada a acta da sessão anterior foi lida uma proposta da direcção para se eleger presidente honorário, sua majestade el-rei.

Em seguida o sr. barão de Paçô Vieira (Alfredo), como presidente da direcção, participou á assembleia que sua majestade acabava de dar mais uma prova da sua amabilidade para com este club, concedendo-lhe licença para estabelecer um ‘velodromo’ na quinta do real paço dos Carrancas. Propôz que em vista d’esta generosa offerta e das demais provas de consideração já dispensadas, sua majestade el-rei fosse também nomeado socio benemérito.

O sr. dr. Paulo Marcellino, fazendo notar o valor e importância da concessão feita por El-Rei, alvitrou que a votação da preposta do sr. barão de Paçô Vieira fosse feita por acclamação . A assembleia acolheu com ruidosas salvas de palmas as palavras do sr. dr. Paulo Marcellino, sendo em seguida levantada a sessão.

A assembleia esteve numerosamente concorrida.

Foi enviado a Sua Magestade o seguinte tellegrama:

‘Ex.mo Camarista de Semana de Sua Magestade El-Rei – Lisboa – A assembleia Geral do Real Velo-Club do Porto acaba de votar enthusiasticamente, por acclamação, socio benemérito e presidente honorário Sua Magestade. Rogamos a V. Ex.ª queira dar conhecimento d’este facto ao mesmo Augusto Senhor, apresentando-lhe os nossos agradecimentos e protestos da mais profunda gratidão. – O presidente d’assembleia geral, Dr. Paulo Marcellino Dias de Freitas; o presidente da direcção, Barão de Paçô Vieira (Alfredo).’

Notícia d’O Velocipedista (1893)

Passeio dos Domingos daqueles que pedalam

20 Mar

Realisaram innumeros passeios particulares, nos domingos passados, a Braga, Guimarães, S.to Thyrso e Vianna do Castello, os sócios do ‘Club Velocipedista do Porto’’.

O mesmo fizeram os sócios do ‘Velo Club’.

Abílio Machado, Carlos Minchin e Simão Esmoriz realisaram domingo passado um passeio até Vianna do Castello, em quatro horas e meia.

Este passeio foi cortado de varias prepecias, entre ellas, a de se enganarem no caminho e irem ter à beira-mar.

A outra ia tendo consequências mais sérias. Uns bois espantaram-se ao vêr as bicyclettas e o carreiro repontou, injuriando os velocipedistas. Fazendo girar o pau dizia que lhes havia de partir ‘esses engenhos que andavam sem licença do regedor da freguesia, etc. etc.’ Carlos Minchin, puxando d’um revólver, disse-lhe então:

– Ou você nos deixa passar ou lhe esmigalho a cabeça…

O homem poz-se logo d’um veludo maciíssimo. Arredou os bois muito prompto e muito respeitosamente se despediu dos excursionistas. Mas o mais interessante é que o revólver era uma pequena pistola de pressão d’ar, cuja balla é uma pequena setta que nem força tem para quebrar um vidro!!…

Notícia d’O Velocipedista (1893)

Jovem promessa

17 Mar

Uma creança franceza, de 4 annos de idade, acaba de chegar a Paris e vai lançar um repto a todas as creanças de 4 a 7 annos que queiram competir com elle em uma corrida de velocípede cuja distancia será de 20 kilometros.

Se não é ‘blague’ temos um Terront em miniatura.